Chegada dos primeiros 17 imigrantes à foz do Ribeirão da Velha em Blumenau. Pintura. Autor desconhecido.

Em 1848, a Sociedade de Proteção ao Imigrante Alemão no Sul do Brasil, de Hamburgo, Alemanha , determina que o Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau, pratico em Farmácia e formado em Química, venha para Santa Catarina e estude a instalação de uma colônia, com imigrantes transferidos pela iniciativa privada. A sociedade se desfaz, mas a reduzida fortuna do jovem químico mantém a empresa e compra terras devolutas na margem direita do rio Itajaí-açú, junto a foz do rio Garcia.

Nesse mesmo ano de 1848, o Dr. Blumenau, que havia chegado para colonizar a região do Vale do Itajaí-açú, resolveu conhecer de perto e com mais detalhes os lugares ainda inóspitos e para ele desconhecidos das partes mais altas do rio. Como o Dr. Blumenau era muito meticuloso na escolha dos seus auxiliares diretos, convidou o canoeiro itajaiense Ângelo Dias nessa empreitada. A viagem de exploração do rio e regiões ribeirinhas, com seus perigos e surpresas próprios de uma região desabitada e selvagem, exigia um profundo conhecedor dos perigos que essa empreitada poderia oferecer. Portanto, Ângelo Dias foi escolhido pelo Dr. Blumenau porque era uma pessoa qualificada e de confiança para a aventura a que se propunham.

Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau (1819 - 1899)

Assim, naquele ano, os dois subiram o rio Itajaí-açú, transpondo a região do Salto, lugar onde havia muitos perigos e de difícil passagem, o que requeria perícia, decisão e coragem por parte do canoeiro. Apesar dos percalços, chegaram os dois até a confluência do rio Benedito, em Indaial. O Dr. Blumenau queria continuar a viagem, mas Ângelo Dias negava-se a aceitar a sugestão, porque tinha acabado o seu estoque de cachaça, seu combustível predileto… Nesse local onde pararam, hoje denominado Carijós, já havia um pequeno povoado. Essas pessoas que ali viviam, alimentavam-se de produtos de pesca, em grande abundância na época, da caça e de frutos silvestres. E, com certeza, foi com esses caboclos, autênticos bandeirantes catarinenses, que Ângelo Dias conseguiu mais um pouco de cachaça, o que o motivou para continuar a viagem. Ou teria sido a capacidade de persuasão do Dr. Blumenau o que o convenceu? E foi exatamente neste local, na margem esquerda do rio Itajaí-açú, onde o mesmo se encontra com o Rio Benedito, que o pequeno núcleo colonizador transformou-se na pujante e bela cidade de Indaial.Mais alguns dias rio acima, e finalmente chegaram a localidade de Subida, onde o rio se mostrava intransponível, com suas corredeiras e grandes pedras impedindo o avanço da canoa. Iniciaram, então a viagem de volta.Indaial não deve esquecer a figura de Ângelo Dias, esse exímio canoeiro que acompanhou o Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau na sua primeira exploração do rio Itajaí-açú.

Dois anos após, em 1850, aportaram nessa região do Vale do Itajaí mais colonos alemães, iniciando efetivamente a colonização. No ano de 1883, pela Lei Provincial 116, datada de 04 de outubro, foi criado o Distrito de Indaial, pertencente ao Município de Blumenau. Em 1893, através da Lei Estadual nº 92, de 04 de outubro, era reconhecido o Distrito de Indaial, mas que duraria apenas um ano. Sem condições de subsistir aos encargos de distrito, o mesmo foi extinto em 29 de maio de 1894, voltando a ser anexado a Blumenau.

Rua Mal. Floriano Peixoto - 1932

Em 28 de fevereiro de 1934, através do Decreto nº 526, aconteceu a restauração do Município de Indaial, como território desmembrado do Município de Blumenau. E ainda naquele ano, em 21 de março, foi o Município de Indaial solenemente instalado, abrangendo ainda os Distritos de Apiúna e Ascurra. Também foi criada a Comarca de Indaial, através do Decreto nº 529, de 28 de fevereiro, e cuja instalação se deu em 15 de abril.A população indaialense é descendente em sua maioria de alemães, cuja colonização se deu por imigrantes que se localizaram no lugar hoje chamado de Carijós.

Em 1875 começam a imigrar os italianos, que chegando em Blumenau, eram enviados a outras regiões para se dedicarem a novas culturas. Subindo o rio Itajaí-açú, muitos se instalaram em Indaial, de onde começaram a surgir as primeiras plantações de arroz. E em 1878 chegaram os primeiros colonizadores poloneses, que também aqui se fixaram. A História da Emancipação Política de Blumenau em 1933 Vargas nomeia como Interventor de Santa Catarina o Coronel Aristiliano Ramos.

Prefeitura de Indaial - 1958

Na época, o então prefeito de Blumenau Antônio Cândido Figueiredo, contrário a esta nomeação, envia telegrama ao Governo do estado renunciando ao cargo, isto porque não concordava em estar sob comando indireto do político Nereu Ramos.

O povo da região também não se alinhava ao novo presidente e dá maioria de votos na eleição parlamentar de 1933 ao partido Republicano.Como represália a esta posição política, no ano seguinte o Interventor Aristiliano Ramos desmembrou os distritos de Blumenau, criando assim os municípios de Indaial, Gaspar, Timbó e Dalbérgia (Ibirama). Reduziu desta forma, o território da cidade a menos de um terço de seu tamanho, prejudicando Blumenau política e economicamente [6]. Como reação, a população blumenauense saiu às ruas em passeata de protesto. “O comercio e as indústrias paralisaram suas atividades durante vários dias e a cidade entrou em convulsão. motivando a exoneração do prefeito Jacob Schmidt”.

Em seu lugar assumiu o capitão Antônio Martins dos Santos, da Força Pública do Estado. Ele veio com a missão de reprimir os protestos e manter a ordem. Após seis meses, transmitiu a posse a João Gomes da Nóbrega. Ramos não revogou os decretos” [6].

Ata da sessão solene de Instalação do Município de Indaial:

" Aos vinte e um dias de março de mil novecentos e trinta e quatro, presentes os srs. Dr. Ivens de Araújo, representante do Exmo. sr. Cel. Interventor Federal no Estado, Erich Kleine, Prefeito provisório deste Município, Cap. Antonio Martins dos Santos, Prefeito provisório de Blumenau, Dr. Oscar Barcellos, Diretor da E.F.S.C. Tte. Asteroyde Arantes, Delegado Especial de Política de Blumenau, Jacob Schmitt, Carlos Blaese Sênior, por si e pelos Srs. Rodolfo Vitor Titzmann e João Luiz Berte, Amphiloquio Nunes Pires, por si e pela direção de “O Pharol” de Itajaí, outras pessoas que assinam esta ata, depois de longa oração que expôs as razões que determinaram a criação do Município de Indaial, e empossado o Sr. Erich Kleine no cargo de Prefeito provisório. O Sr. Leopoldo Schramm, prefeito provisório de Gaspar, fez-se representar no ato pelo Sr. Erich Kleine. Nada mais havendo a tratar e nem havendo quem quisesse usar da palavra, foi encerrada a sessão e lavrada a presenta ata que vai por mim escrita e assinada pelas pessoas presentes” [7].

“Decreto-Estadual n. 526, de 28 de fevereiro de 1934: “O Coronel Aristiliano Ramos, Interventor Federal no Estado de Santa Catarina, no uso das suas atribuições e Considerando que o distrito de Indaial possui população, território e rendas suficientes e desenvolvimento econômico que justificam a sua elevação a município.
Considerando que mais se constituindo município, o seu território trabalhado e administrado pelo seu povo laborioso e honesto, maiores possibilidades de progresso e desenvolvimento advirão para o município, pois que as rendas municipais serão aplicadas diretamente em seu benefício decreta:
Art° 1° – Fica elevado à categoria de Município a denominação de Indaial, os distritos de Indaial, Ascurra. (…)
Art° 2° – A Sede do novo Município será o povoado de Indaial que é elevado à categoria de Vila.
Art° 3° – Para sua instalação, é designado o dia 21 de março vindouro.
Art° 4° – Revogam-se as disposições em contrário.
Palácio do Governo em Florianópolis 28 de fevereiro de 1934. aa Aristiliano Ramos. Plácido Olimpio de Oliveira".

(Fonte: Acib 90 anos – Fundação Casa Dr. Blumenau – 1989)

Blumenau, 1934. Protestos contra a emancipação de Indaial.